em destaque

Perder dinheiro todos os dias

14 de outubro, 00:30

A primeira regra para poupar é gastar menos dinheiro nas pequenas coisas

Muito boa gente, sem querer e sem o saber, perde dinheiro todos os dias, sugere Richard Thaler, o último prémio Nobel da Economia. Thaler explica como no dia-a-dia vários comportamentos nos fazem perder dinheiro. Por exemplo, os serviços ou os produtos que são orgulhosamente ‘os melhores’. Têm detalhes e características para todos os gostos, opções intermináveis, mas depois, quando os compramos, não usamos a maioria dessas opções e possibilidades; não temos tempo para ver centenas de canais de televisão, milhares de filmes; para utilizar as opções sem fim do telemóvel, as características imensas do pacote de seguros, etc.

Por outro lado, muito boa gente gasta uma parte do orçamento – de muito pequena a muito grande… – em compras por impulso. Os pequenos gastos muitas vezes têm origem emocional.

A primeira regra para poupar, segundo o Prémio Nobel da Economia, é gastar menos dinheiro nas pequenas coisas. São pequenas, mas com a rotina transformam-se em grandes. Por exemplo, tomar sempre o pequeno almoço fora pode ser bom, mas sair caro. Faça as contas… No entanto, não o fazer, pelo menos para alguns de nós, pode gerar uma sensação de exclusão, o que não é agradável. A solução pode passar por ter limites; de vez em quando tomar o pequeno-almoço fora, mas não todos os dias; ou às vezes, depois do pequeno-almoço em casa, ir tomar apenas um café enquanto conversa.

"As pessoas querem sentir-se integradas e estar à altura", diz Thaler, "e às vezes o discernimento não é o melhor." Sobretudo porque os impulsos que guiam uma boa parte do nosso comportamento não são conscientes. Um truque para gastar menos e gastar melhor é adiar a decisão de compra. Thaler sugere que os gastos superiores a uma determinada quantia só sejam feitos no dia seguinte ao da decisão; cada um deve fixar uma quantia razoável para si próprio, o que para uns pode ser 100 euros para outros pode ser 20 euros.

Outra sugestão do Nobel da Economia: automatize a poupança. O melhor é ter uma ordem mensal permanente de transferência de um determinado montante para a poupança. Por pequeno que seja, faz diferença. Já pensou quanto hoje teria se desde o ano 2000 tivesse poupado 100 euros por mês?

Ainda uma sugestão final: quando vai comprar alguma coisa, habitue-se a perguntar: preciso mesmo disto? O meu telemóvel não continua bom? Não posso requisitar o livro na biblioteca, pedir emprestado? Posso aproveitar algum desconto, promoções? Impor limites, adiar, perguntar, automatizar a poupança ajuda a gastar menos e a juntar mais.

Antiga ortografia

comentários

comentar
Faltam 350 caracteres