em destaque

Segredos todos temos

14 de outubro, 00:30

Uns gozam com aquele secretismo, outros acham-no tolo.

Riem-se dele, chamam-lhe bota-de-elástico, acham que neste tempo de computadores, telemóveis, sabe Deus que mais, ninguém, mas mesmo ninguém tem agenda. Comprar uma pode ser questão de hábito ou o saudosismo de quem chegou a certa idade, e isso os amigos do senhor Casimiro compreenderiam. O que lhes causa espécie e a alguns irrita, é a fidelidade com que ele a usa, registando pontualmente os acontecimentos mais variados. Não só mortes, aniversários, casamentos, vitórias do FCP e outros assuntos, mas também certos casos, embora assente esses numa escrita misteriosa.

Uns gozam com aquele secretismo, outros acham-no tolo, dois ou três tentaram decifrar os misteriosos símbolos, mas desistiram. Uma vez o Guedes pediu-lhe para o deixar fotografar uma página com o telemóvel e foi mostrá-la ao Dimitri da garagem, a ver se ele compreendia, mas o rapaz disse que aquilo não era búlgaro, nem ucraniano, nem língua nenhuma, devia ser um código.

Os outros encolheram os ombros, mas o Guedes, lembrado das histórias que o avô lhe contava do tempo da guerra, quando Lisboa era um ninho de espiões, desconfiou que talvez a coisa não fosse tão simples como parecia. E como também tinha lido que a Autoridade Tributária usa certos métodos para descobrir o verdadeiro rendimento de cada um, nasceu nele a suspeita de que o senhor Casimiro talvez não fosse apenas o simpático e prestimoso reformado que julgavam ser, mas uma pessoa de vida clandestina.

Com tempo de sobra desde que a CP lhe deu a invalidez, primeiro perguntou aqui e ali, de maneira discreta, mas nunca conseguiu mais do que o que todos sabiam: o senhor Casimiro tinha sido porteiro num hotel em Coimbra, enviuvara cedo, vivia sozinho, a filha estava no Canadá, aos domingos à tarde, no café, pedia sempre uma água natural, uma meia de leite e um jesuíta.

Uma tarde viu-o no Pingo Doce, à conversa com um sujeito alto, de aspecto militar, que segurava na mão uma gaiola vazia, e pelos jeitos discordavam de qualquer coisa, porque às tantas o da gaiola fez um gesto irritado, abanou a cabeça como quem diz não e foi-se embora.

Dias depois entrou no café uma sujeita bem vestida, que logo se via não ser do bairro, porque parou a olhar, foi direita ao senhor Casimiro, e como se fosse muda entregou- -lhe um envelope grosso e saiu apressada.

O Guedes não sabe o que há-de fazer, mas cheira-lhe a esturro. Telefonar à Judiciária? Será melhor uma carta com letras do jornal. Que investiguem o velhote e o que ele escreve na agenda.

Antiga ortografia

comentários

comentar
Faltam 350 caracteres