CMTV
Atualidade

Transportadores vão definir medidas para contestar subida nos combustíveis

Ministro da Economia rejeitou possibilidade de baixar impostos nos combustíveis fósseis, para atenuar a subida de preços.

Transportadores vão definir medidas para contestar subida nos combustíveis
Os transportadores de mercadorias preparam-se para definir medidas para responder à escalada dos preços dos combustíveis, mostrando-se desagradados com a posição do Governo.

"[...] Em resposta aos apelos das empresas associadas da ANTRAM [Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias] foi decidido alterar o tema do congresso anual -- que se realizará nos próximos dias 29 e 30 de outubro -- de forma a que o mesmo seja centrado na análise e discussão do aumento dos custos com os combustíveis, e, desta forma, dar voz ao universo associativo e, em conjunto, definir as medidas necessárias para responder a esta crise", apontou, em comunicado.

A associação esteve reunida esta quarta-feira, de emergência, para debater a escalada do preço dos combustíveis, num encontro onde ficou claro o "profundo desagrado" do setor para com o Governo.

Constituída em 1975, a ANTRAM representa cerca de 2.000 empresas nacionais e está presente em Lisboa, Porto, Coimbra, Évora e Faro.

A OPEP, que mantém limitado o seu fornecimento de petróleo no meio do aumento dos preços da energia, reviu esta quarta-feira ligeiramente em alta a procura mundial de petróleo em 2021 e 2022.

No relatório mensal sobre o mercado petrolífero, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) atualizou a estimativa da procura para 27,8 e 28,8 milhões de barris por dia em 2021 e 2022 respetivamente, mais 100.000 do que o calculado em setembro.

Na segunda-feira, o ministro da Economia, Siza Vieira, rejeitou a possibilidade de baixar impostos nos combustíveis fósseis, para atenuar a subida de preços, argumentando que a estabilidade fiscal dá previsibilidade aos agentes económicos para a inevitável transição para energias mais sustentáveis.

"Por muito que nos custe, os combustíveis fósseis vão aumentar o preço nos próximos anos", afirmou o governante, num encontro no âmbito do ciclo de conferências Retomar Portugal, da TSF e do JN, dedicado ao tema das exportações, que contou com representantes da indústria, banca e empresas.

Siza Vieira insistiu que não deve ser alterada a estabilidade fiscal, que disse não ter alterações desde 2016, nem evitada a subida de preços, mas que "o esforço" do país deve ser o de reduzir a dependência energética do exterior, evitando a compra de combustíveis fósseis e o endividamento perante o exterior, e o de "aumentar e tornar mais competitivos, comparativamente, os custos das energias renováveis e da endogenização" da fatura energética nacional.

Mais Lidas
Guia TV
  • 06:00 NOTÍCIAS CM
  • 09:08 MANHÃ CM
  • 10:57 JORNAL DE PORTUGAL
  • No ar CM JORNAL HORA DO ALMOÇO
  • 14:57 NOTÍCIAS CM
  • 15:08 RUA SEGURA
  • 15:57 NOTÍCIAS CM
  • 16:08 TARDE CM
  • 16:57 DIRETO CM
  • 17:43 MERCADO
  • 18:45 JORNAL AS 7
  • 19:45 CM JORNAL 20H
  • 21:30 INVESTIGAÇÃO CM
  • 21:57 LIGA D´OURO
  • 00:30 RUA SEGURA
  • 01:30 NOTÍCIAS CM
  • 02:30 CINEMA ERÓTICO
  • 03:45 PATA NA POÇA
  • 04:00 TELEVENDAS
  • 05:45 FALAR GLOBAL