CMTV
Atualidade

CGTP defende que "não é com medidazinhas que Portugal vai sair do empobrecimento"

Milhares de pessoas percorrem na tarde desta segunda-feira a avenida Almirante Reis, em Lisboa, a exigir melhores condições para os trabalhadores.

CGTP defende que "não é com medidazinhas que Portugal vai sair do empobrecimento"
A secretária-geral da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), Isabel Camarinha, disse esta segunda-feira que "não é com medidazinhas" que Portugal "vai sair do empobrecimento", no início da tradicional manifestação que assinala o 1.º de Maio.

"Para desenvolvermos o país, não podemos continuar neste caminho do empobrecimento, não é com medidazinhas, é com aumento de salários e pensões, com taxação dos lucros, com controlo dos preços, é preciso uma alteração da distribuição da pobreza, e o Governo tem de perceber que não pode continuar o caminho do empobrecimento e o subdesenvolvimento", disse Isabel Camarinha, no início da marcha que leva os manifestantes desde o Martim Moniz até à Alameda, em Lisboa.

Milhares de pessoas percorriam esta tarde a avenida Almirante Reis envergando cartazes e adereços críticos da política do Governo e a favor de melhores condições para os trabalhadores, mas também havia quem optasse por ficar na sombra para fugir ao calor que se faz sentir em Lisboa, e anime os presentes com a música da 'Internacional Socialista' tocada em flauta.

Entre as figuras mais pitorescas estava também um manifestante vestido à 'Zé Povinho', ou ainda outros dois, que seguiam no início do desfile, atrás da banda, vestidos à patrão, com um fato e muitas notas em tamanho gigante a representar o "grande capital", com a inscrição das marcas de supermercados nos chapéus.

"Os trabalhadores estão a viver condições cada vez mais difíceis e precisamos de nos organizar, de nos unir e de lutar para exigir respostas e uma solução para os problemas que estamos a atravessar", vincou a representante dos trabalhadores durante a manifestação em que se liam cartazes como "Salário mínimo 850 euros" ou "O Custo de vida aumenta, o povo não aguenta".

Para Isabel Camarinha, os bons indicadores macroeconómicos e laborais que o Governo apresenta não são sentidos pelos trabalhadores.

"Não se pode dizer que a economia está a crescer se os salários não aumentam, se os trabalhadores e reformados estão a empobrecer; os resultados podem ser muito bons, mas não há medidas concretas para resolver os problemas das pessoas", criticou a sindicalista, que ainda esta tarde fará o discurso de encerramento da manifestação na Alameda.

Mais Lidas
Guia TV
  • 06:00 NOTÍCIAS CM
  • 09:15 MANHÃ CM
  • 10:53 JORNAL DE PORTUGAL
  • No ar GRANDE JORNAL
  • 14:53 NOTÍCIAS CM
  • 15:08 RUA SEGURA
  • 15:50 DIRETO CM
  • 17:18 MERCADO
  • 19:45 GRANDE JORNAL
  • 21:30 INVESTIGAÇÃO CM
  • 21:57 LIGA D´OURO
  • 00:30 JORNAL DA MEIA-NOITE
  • 00:45 NOITE DAS ESTRELAS
  • 01:38 JORNAL DA MEIA-NOITE
  • 01:53 NOTÍCIAS CM
  • 02:30 INVESTIGAÇÃO CM
  • 03:00 LIGA D´OURO
  • 04:45 TELEVENDAS
  • 05:00 INVESTIGAÇÃO CM
  • 05:15 FALAR GLOBAL
  • 05:30 TELEVENDAS
  • 05:45 NOTÍCIAS CM